Título para que? Sou eu...

Sou eu, exposto aqui.

Um bom tanto de mim quer explodir. Ao invés de permitir o desperdício dos meus espasmos de criação inútil, prefiro deixá-los por aqui, para quem quiser me conhecer. Também é uma forma excelente de tentar organizar um pouco meus pensamentos, tão confusos.

Será melhor ainda se vocês puderem me criticar, e muito: pois só assim cresço.

Conto, então, com a ajuda de todos.

Minha foto
Nome:
Local: Porto Alegre, RS, Brazil

terça-feira, julho 27, 2004

Absorção pura

    Depois de uns quantos dias de produção crítica, parece que entrei em estado de absorção. Em minhas leituras usuais, não mais ergo o punho, bradando, mas me prostro. Idéias não mais me fazem insurgir; me subjugam.

    Como lhes disse, eu vi o cadáver... agora, paciência.

    Só o que consigo dizer é: por que não me explicaram tudo isso antes? Por que diabos eu não sabia das verdades antes de precisar delas? Que merda, me esqueço que finco o pé no sentido de que verdades  não existem. Aliás, existem; mas são contingentes.

"NÃO: NÃO quero nada
Já disse que não quero nada.
 
Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.
 
Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!

 
Tirem-me daqui a metafísica!
Não me apregoem sistemas completos, não me  enfilerem conquistas
Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) -
Das ciências, das artes, da civilização moderna!

Que mal fiz eu aos deuses todos?

Se têm a verdade, guardem-a!
 
Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.
Fora disso sou um doido, com todo o direito a sê-lo.
Com todo o direito a sê-lo, ouviram?
 
Não me mace, por amor de Deus!
 
Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?
Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?
Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?
(...)"
                    Álvaro de Campos (hererônomo de Fernando Pessoa)

Nada ficou no lugar...
 
ah, Adriana, ah... te entendo cada dia mais... canta para eu dormir?
Só até eu dormir, vai...