Título para que? Sou eu...

Sou eu, exposto aqui.

Um bom tanto de mim quer explodir. Ao invés de permitir o desperdício dos meus espasmos de criação inútil, prefiro deixá-los por aqui, para quem quiser me conhecer. Também é uma forma excelente de tentar organizar um pouco meus pensamentos, tão confusos.

Será melhor ainda se vocês puderem me criticar, e muito: pois só assim cresço.

Conto, então, com a ajuda de todos.

Minha foto
Nome:
Local: Porto Alegre, RS, Brazil

sábado, setembro 04, 2004

Interpretação do texto...

    Bueno...

    Fiquei impressionado com a quantidade de comentários que recebi acerca da minha manifestação acerca de 'deus'. Por um lado, isso me deixa muito, mas muito feliz: tem gente realmente lendo essas porcarias que eu escrevo. De outro, acho que devo uma breve explicação.

    Bons textos possuem início, meio e fim. Na introdução, se apresenta o tema, o problema e, dependendo da extensão da coisa, o 'plano de ataque'. No desenvolvimento vem os argumentos e, na conclusão, claro, as conclusões.

    Disso afirmo que: o assunto do texto não está no miolo. O tema vem no começo e no fim do discurso; no meio, argumentos.

    Então: meu texto não é sobre deus(es), e minha intenção não foi escrever sobre isso. Minhas concepções sobre esse tema são loucas demais para eu largar alguma coisa solta desse jeito - seria no mínimo uma irresponsabilidade. E uma falta de respeito para com o que eu penso. O assunto só surgiu como uma linha de raciocínio que me leva do problema à... mmm.. não, não é à solução: a mais dúvidas. Mas isso faz parte da filosofia.

    Então: critiquem meu silogismo pobre, um texto que tentei sintetizar e, por isso, subentende premissas; critiquem meus argumentos, minha conclusões - ou a falta delas. Mas não tomem quaisquer dos dados apresentados como uma exposição sobre deus.

    Leiam e, por favor, critiquem: mas sabendo o que estão lendo.

    Aliás, já poupando trabalho a vocês (coisa que me enerva): o texto era sobre o homem , sobre o humano . E tanto não era sobre divindades que é uma crítica à nossa constante falta de capacidade de ver além do umbigo.

    O que decorre disso? Papo para vários posts. Aguardo sugestões, críticas e propostas nos comentários.